quarta-feira, 30 de março de 2011

Clássicos da Primavera.




A Primavera em Colónia tem sido surpreendentemente solarenga e amena...os dias têm estado lindos e  as pessoas vestem roupas frescas, as esplanadas e jardins estão cheios de gente. O contraste em relação ao Inverno é total, na verdade nunca pensei que haveria tanto sol nesta altura do ano. O resultado, é claro, que se faz sentir em cada canto onde há vida vegetal, tudo está a despertar do longo Inverno, e em particular o jardim botânico esta lindo. Ficam aqui algumas fotos de Cerejeiras e outras árvores em flor, jacintos azuis, Primula florindae, e um campo com narcisos.

terça-feira, 29 de março de 2011

Mais tulipas...

São as primeiras tulipas que vão surgindo, e são lindas...muito viçosas e elegantes. Não sei que variedades são, só sei que a foto de baixo é de uma Tulipa de espécie, possivelmente Tulipa polychroma. Reparem como ficam bem juntamente com os amores-perfeitos, aqui na Alemanha plantam sempre tulipas junto com amores perfeitos, ou às vezes com primulas.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Época das Tulipas e Aniversário.


Tulipa Greigii "Pinocchio" no Jardim Botânico de Colónia.

A época das tulipas começou no jardim botânico. Existem muitas espalhadas pelo jardim, as que apresento na foto acima estão numa montra com vários espécimes mais raros, são de uma cor muito viva e chamavam à atenção ao longe, foi impossível passar e não tirar uma foto.
Entretanto, reparei que foi há exactamente um ano que coloquei aqui o primeiro post. Eu até nem gosto de aniversários, mas com os problemas que o blogue teve nos últimos dias decidi assinalar a data com estas magnificas tulipas, que são também as minhas flores preferidas.

domingo, 27 de março de 2011

Ajuda?

O meu blog esta a sofrer algo estranho. Algumas msgs estão a ser apagadas, e as que são publicadas estão a aparecer sem fotos. Alguém faz ideia do que possa estar a acontecer? Tentei procurar na net, mas não consigo encontrar nada de semelhante. Obrigado.

Floresta do Schloss Augustusburg




Anemone nemorosa e Corydalis cava

                                                                                                                                                     Anemone nemorosa e Corydalis cava
A Floresta fica na parte exterior do jardim de Augustusburg e tem cerca de 50 hectares, com árvores antigas (algumas com 300 anos) e exuberante flora e fauna. Tudo está sob protecção. Mesmo em frente ao palácio inicia-se uma avenida com 110 metros de plátanos que foi criada antes de 1870.
O que mais me impressionou foram as flores que cobrem todo o solo da floresta nesta altura do ano. Anemone nemorosa e Corydalis cava (ambas podem ser encontradas na flora de Portugal, ainda que muito localizadas no Norte do país) assim como Viola, podem aqui ser encontradas.

http://www.flora-on.pt/#/1corydalis
http://www.flora-on.pt/#/1Anemone+nemorosa

sexta-feira, 25 de março de 2011

Colónia: Schloss Augustusburg.

































Imagens do Palácio Schloss Augustusburg que visitei recentemente num dia quente e com muito sol. O Palácio ocupa cerca de 20 hectares e é constituído por jardins formais desenhados ao estilo barroco francês, onde se podem observar buxos, fontes e alamedas de árvores em topiária. Um lindíssimo jardim e palácio que pertenceu ao principie-eleitor  Clemente Augusto da Baviera (1700-1761) e hoje é património da UNESCO.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Mais Narcisos.





O início da Primavera é também a época dos narcisos no Botanischer Garten. É impossível ficar indiferente às suas lindíssimas fores... Encontram-se em grandes massas espalhados pelo jardim formamdo aglomerados que resultam da sua naturalização. A maioria das espécies de narcisos são bons a naturalizar nos jardins, e ano após ano serão cada vez mais e vão parecer que foram plantados pela mãe natureza. Por isso se quiserem dar um ar natural aos vossos jardins  plante os narcisos em grupos de 25-50 bolbos, por exemplo debaixo de árvores caducifólias. Terá um espetáculo todos os anos por volta do fim do Inverno, mesmo antes das árvores se encherem de folhas e a sua sombra impedir que algo mais cresça debaixo dessas mesmas árvores. Não plante apenas um ou dois bolbos, lembre-se que a natureza é sempre generosa! Ao plantar em grandes grupos o impacto é muito maior, ainda por cima os bolbos de narciso são muito baratos. Aqui fica um vídeo Britânico com Anna Pavord, que achei interessante para dar uma ideia da variedade de Narcisos que existem.
 

segunda-feira, 21 de março de 2011

Primavera.

 Ontem regressei ao jardim Botânico de Colónia e já se respirava Primavera por todo o lado. Uma das primeiras diferenças que reparei em relação há duas semanas atrás foram os revaldos cheios desta pequena planta bolbosa, Chionodoxa luciliae que substitui agora grande parte dos Crocus que encontrei anteriormente. O resultado não é menos interessante, o azul das suas flores destaca-se no meio dos relvados.

Chionodoxa luciliae também a podemos encontrar abundantemente debaixo de árvores caducifólias, por todo o jardim. Tal como esta Anémona-dos-bosques, Anemone nemorosa também ela em destaque.

Aparentemente Anemone nemorosa, é uma planta abundante em jardins aqui na Alemanha. Cresce a partir de um rizomas subterrâneo no inicio da Primavera e começa a florir logo depois, sendo que a sua folhagem desaparece até meados do verão. É uma planta pouco conhecida em Portugal, acho eu.

Ao contrario das Primaveras (o género Primula), que essas sim são já uma planta habitual nos canteiros de flores sazonais por todo o país.

Sendo que até temos um representante na flora espontânea portuguesa, a Primula vulgaris, tal como a encontrei aqui no jardim (foto seguinte), pode ser encontrada de norte a sul do país sendo mais abundante na metade norte de Portugal, como se descreve no Dias com árvores .

 O Género Muscari é outro nosso conhecido, sendo nativo do Sul da Europa e foi também ele já apresentado no excelente Dias com árvores. Cá no jardim botânico encontrei poucos exemplares. 

Enquanto isso, o espetáculo dos crocus que rebentaram mais tarde continua e não resisti a mostrar mais umas fotos, desta vez junto com as primeiras árvores em flor. Julgo ser uma cerejeira de jardim.


























sexta-feira, 18 de março de 2011

Hyacinthus.


Hyacinthus orientalis o vulgar Jacinto-de-jardim, tem uma longa historia de cultivo como planta ornamental na Europa, mas esta foi apenas a primeira vez que tive contacto com a planta. Comprei um bolbo já a rebentar há cerca de três semanas, depois transferi-o para um copo de iogurte de 500g e ficou à janela do meu quarto. A partir dai foi crescendo como mostra a foto e agora tem uma inflorescência enorme e com um perfume algo característico (pessoalmente não gosto muito). O Jacinto é realmente uma planta de grande valor ornamental e percebe-se perfeitamente porque é um clássico da Primavera.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Narcisos.

Tenho estes Narcisos mesmo à porta de casa, são uma variedade muito pequena, embora as suas flores sejam de um amarelo bastante forte e por isso mesmo dão muito nas vistas, apesar do reduzido tamanho. Desde sempre que tenho um grande interesse pelas bolbosas, sendo os narcisos uma das minhas plantas preferidas. 
Gostaria também de mostrar aqui aqueles que se encontram espontâneamente na minha terra, na Serra de Montejunto, e que por esta altura devem também estar em floração. Trata-se de um lugar algo remoto da serra onde se instalou uma colónia enorme de Narcissus bulbocodium,  que por se encontrar longe dos principais caminhos, está a resistir ao facto de muitas pessoas terem a tentação levar um bolbo destes para casa. Aqui fica para admirar por foto, que é já muito bom:)

@credito fotográfico para José Lourenço http://couraca.blogspot.com/2010/03/montejunto-nossa-serra-i.html

domingo, 13 de março de 2011

Como Cultivar Helleborus em Portugal.


Primeiro que tudo é preciso referir que Helleborus é um género que ocorre espontâneamente em Portugal, como já foi descrito varias vezes por exemplo, no As Minhas Plantas, por isso o seu cultivo não deveria em principio apresentar problemas de maior. Embora eu próprio nunca o tenha cultivado, desde que estou na Alemanha desenvolvi um grande interesse por esta planta, e fiz uma pequena pesquisa sobre o assunto. Antes de conhecer os jardins Botânico de Colónia conhecia apenas um familiar que teve esta planta, e até então nunca me tinha suscitado grande interesse. Mas, realmente o Heleborus é uma planta que vale a pena tentar pelo seu grande valor ornamental e aparentemente é também muito fácil de cuidar, se se tiver em atenção algumas questões simples:
  1.  Solo: cresce em grande variedade de solos, mas em geral alcalino, com boa drenagem e um solo rico em matéria orgânica é fundamental. Precisa de solo profundo, sobretudo em vasos, devido ao seu extenso sistema radicular.
  2. Sombra: é vendida muitas vezes como planta de sombra e na verdade vivem bastante confortáveis debaixo de árvores, por exemplo, mas em condições de sombra total não irão florir muito bem e podem mesmo parar de se desenvolver. Parecem crescer bem ao sol nos países do norte da Europa mas, optaria por uma meia-sombra em Portugal.
  3. Rega: são plantas resistentes à seca, pelo menos durante períodos pequenos. Mas, uma certa humidade deve ser proporcionada, sem que seja em excesso, evitando assim o solo empapado de água que levara à morte da planta.
  4. Clima: dá-se bem nas zonas de rusticidade 4a a 9b e prefere clima continental. Não se dá bem com ar marítimo húmido e quente, e necessita de estações bem definidas para que complete o seu ciclo vegetativo. Ou seja, a região de Lisboa, toda a costa alentejana e Algarve podem não conseguir os melhores resultados.
  5. Propagação por semente: é necessário mimetizar as condições que a semente encontra na natureza. A semente depois de se formar, encontra temperaturas amenas, seguidas de um Verão quente, para depois voltar a valores mais frescos e finalmente um Inverno frio. Ou seja, é necessário fazer a estratificação da semente (calor/frio) para que ela germine. Quando isso acontece, invariavelmente a semente germina e os cotilédones começam a surgir no final do Inverno. Embora muitas vezes seja necessário entre 6 a 18 meses para uma semente madura germinar. A alternativa é encontrar sementes frescas, recém formadas a partir da planta mãe, já que a semente madura forma inibidores de germinação que só são revertidos com o tempo frio. Assim, sementes frescas e imaturas parecem germinar sem necessitar do período de frio, desde que semeadas em plena luz e em solo húmido tapado com casca de pinheiro ou folhas para que mantenha a humidade.
  6. Propagação vegetativa: divida o sistema radicular das variedades acaulescentes no Outono ou depois da floração na Primavera. Convém esperar até a planta estar bem desenvolvida, na sua fase de maturação, nunca antes de 4 anos. Também desta forma mantêm-se as características de um determinado espécime que se pretende preservar,  já que a propagação por semente tende a produzir espécimes muito diversificados e geralmente com menor valor ornamental.
  7. Poda: é necessário retirar toda a folhagem dos espécimes acaulescentes assim que as primeiras flores comecem a rebentar, deixando só os pedúnculos com flor. Desta forma terá muito mais flores e novas folhas  mais vigorosas, melhorando o aspecto geral da planta. 
Os Heleborus vão trazer grande interesse às áreas de sombra do seu jardim, e uma vez introduzidos vão naturalizar facilmente, como se pode ver Aqui no jardim deste senhor inglês que vive na zona de Penacova e cultiva dezenas de variedades de Heleborus que trouxe de Inglaterra,  e com grande sucesso. Arthur escreve que todos as Primaveras centenas de novas plantulas de Helleborus povoam os seus canteiros.

Heleborus argutifolius no jardim botânico de Colónia.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Túlipa


Tulipa sylvestris ssp. australis é a nossa única túlipa selvagem. E tal como foi referido há poucos dias no Das plantas e das pessoas ela é espontânea nas nossas montanhas, de Norte a Sul, sobre diversos substratos, e entra em floração durante a Primavera. As tulipas são das minhas plantas favoritas em jardins, mas penso que as selvagens são ainda mais especiais por serem raras, além disso o cultivo de tulipas-espécie em jardim, em vez dos faustosos híbridos holandeses, está a ganhar cada vez mais adeptos na Europa. Mas, se por acaso encontrarem por ai uma das nossas túlipa selvagem, deixem-na em paz...quem a quiser cultivar pode encomendar a sua prima britânica, por exemplo, aqui (T28).
Ocororencias registadas em Portugal T. sylvestris segundo flora-on.pt

segunda-feira, 7 de março de 2011

Crocus.






Finalmente a Primavera chegou a Colónia! Na ultima semana o tempo tem estado de sol, bastante forte até e hoje chegou aos 15 graus em algumas zonas da cidade. Foi a primeira vez que vi sol a serio em quase 3 meses! Quem adorou este tempo foram os Crocus,  finalmente consegui vê-los abertos e também notei que parecem haver pelo menos duas espécies diferentes: uma com flores de cor lilás-pálido consideravelmente mais pequenas e outra de flores maiores e mais robustas que rebentaram cerca de duas semanas mais tarde que os primeiros. Ambas as espécies naturalizaram nos relvados aqui existentes, e todos juntos formam um espetáculo de cor muito interessante. No próximo Outono vou comprar alguns destes bolbos, alguém sabe se eles chegam a naturalizar em Portugal? Deviam, pois são um género originário da região Mediterrânea.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Portugal Natural.



Pelo grande fotografo da natureza Luis Quinta, colaborador da National Geographic e vencedor de vários prémios de fotografia. Portugal ainda é assim...Portugal devia ser cuidado como se fosse o nosso Jardim.