terça-feira, 31 de julho de 2012

Dipsacus fullonum.

Dipsacus fullonum

Dipsacus fullonum
Uma bela planta que sempre admirei, mas que só recentemente descobri ser muito usada em jardinagem, facilmente se percebe porquê. Encontrei-a junto a uma estrada rural, perto de uma linha de água e na foto tive a sorte de conseguir captar as suas belas inflorescências sendo polinizadas por abelhas, o que me deixou bastante contente. A inflorescência desta planta é um arranjo cilíndrico de flores de cor lavandula que secam rapidamente, formando depois um cone com as pontas das brácteas duras. O seu valor ornamental é indiscutível, sendo também muito usado em arranjos florais depois de seco.
Nestas fotos podem ver Dipsacus Follonum em Great dixter.



domingo, 29 de julho de 2012

Um Jardim Nas Dunas.

Nada menos que um verdadeiro jardim. É esta a sensação que temos, quando se visita as dunas da praia de São Martinho do Porto. As combinações florísticas deste ecossistema surpreendem-nos, formando canteiros e mimetizando verdadeiros jardins, que mais não são do que a forma da natureza se exprimir. No entanto, daqui podemos tirar muita inspiração para os nossos próprios jardins, especialmente no que se refere à textura, cor e justaposições de plantas.


Eryngium maritimum e Helichrysum italicum
Destaco algumas das plantas: Eryngium maritimum, da família Apiaceae. Podemos o encontrar em areias litorais, nas dunas embrionárias e primárias. Esta planta tem sido muito procurada para jardins em Inglaterra e surgiram já centenas de híbridos e cultivares. No entanto penso que a espécie em si não podia ser mais ornamental do que já é, com as suas intrigantes flores e folhagem superior de um intenso azul metálico.

Erymgium maritimum com Seseli tortuosum

Pancratium maritimum
Pancratium maritimum é uma planta perene bulbosa nativa da região do Mediterrâneo e sudoeste da Europa. Cresce em areias costeiras ou um pouco acima da marca da maré alta. Tem assim o compreensível  nome popular de narciso-das-areias, e de facto pertence à mesma família que os vulgares narcisos de jardim.

Seseli tortuosum é uma bela planta da família Apiaceae,  aparece na duna secundária, menos frequentemente em rochas marítimas e taludes de salinas.

                                                                                                                                    Helichrysum italicum e Ammophila arenaria


Helichrysum italicum, a vulgar perpetua-das-areias, é já bastante usada em jardinagem. Uma planta muito resistente à seca, pode ser encontrada em dunas em processo de estabilização ou paleodunas, mas também sob coberto de pinhais. Quase sempre Em solo arenosos, perto do litoral.

Ammophila arenaria, pertence à família Poaceae e encontra-se em dunas e areais litorais, frequentemente em cristas dunares e dominando a duna primária. Parece ter um grande potencial ornamental.

Resta dizer que toda a duna encontra-se razoavelmente bem protegida e foram construídos enormes passadiços que evitam o contacto directo com o sistema dunar e que permitem apreciar melhor todo o conjunto de plantas e paisagem.



http://www.flora-on.pt/#/0qFRe   http://www.flora-on.pt/#/1+helichrysum+italicum
http://www.flora-on.pt/#/0NveD  http://www.flora-on.pt/#/6pancratium

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Jardineiros Famosos: Alan Titchmarsh.


Mais um jardineiro britânico, muito popular no seu país. Foi recentemente considerado pelo jornal The Telegraph como o jardineiro mais influente da Grã-Bretanha, grande parte dessa influência vinda dos muitos programas de televisão sobre jardinagem que tem desenvolvido ao longo da sua carreira. Depois de trabalhar como jardineiro profissional e de ser jornalista de jardinagem durante vários anos, Alan Titchmarsh estabeleceu-se como uma personalidade dos mídia através de aparições regulares em vários programas sobre jardinagem. Mais recentemente, desenvolveu uma escrita diversa que incluem livros de ficção mas também de técnicas de jardinagem. Continua a sua vasta carreira de radiodifusão, com programas de jardinagem mas não só, teve também o seu próprio talk show e apresenta diversos documentários. 



Excerto do programa How To Be A Gardner, inclui uma visita ao seu proprio jardim. No video seguinte, Alan Titchmarsh´s Garden Secrets, que inclui o famoso  jardim branco de Sissinghurst e também Great Dixter.



http://www.telegraph.co.uk/gardening/8993038/Meet-Britains-most-influential-gardeners.html
http://www.bbc.co.uk/programmes/p00c5p22
Credito fotográfico: http://www.telegraph.co.uk/comment/7111356/Alan-Titchmarsh-Climate-scientists-should-stick-to-the-facts-and-not-use-guesswork.html
http://www.telegraph.co.uk/gardening/8993038/Meet-Britains-most-influential-gardeners.html

quarta-feira, 11 de julho de 2012

O meu jardim em Julho.

Echinacea/ Liatris / Nigella / Eryngium
Echinacea / Eryngium / Perovskia
Perovskia "blue spire" / Achillea "fanal"
Nigella / Liatris spicata
Liatris / Achillea / Eryngium
Rosa / Hemerocallis " Rajah"
Rudbeckia hirta / liatris spicata
Perovskia / Eryngium planum
Stachys lanata
Echinacea purpurea

Peço desculpa pela fraca qualidade das imagens, mas fiquei sem maquina há uns tempos, por isso boas fotos só com maquinas emprestadas, o que não foi o caso!

O meu "jardim" resume-se para já, a alguns canteiros, cedidos pela paciência da minha mãe, naquilo que é a sua horta. O objectivo é antes de mais reunir algumas das plantas que mais gosto e cria-las eu próprio, para ver como se comportam nas condições que temos no jardim. Outro objectivo é conseguir aumentar o numero de plantas para que se possa fazer algo mais interessante no futuro.

Alguns aspectos negativos: o efeito final do canteiro não foi completamente conseguido, o facto de o numero de exemplares de cada espécie ser muito reduzido, produziu um efeito pontuado e pouco denso, em que as flores se misturam num efeito tipo "bouquet" em vez de tomarem um ar mais natural, em volumes de cor/ espécie, como se encontram por exemplo, nas pradarias, prados ou estepes.


Positivo: embora um pouco tosco ainda, fiquei contente com o pouco dinheiro que gastei com os canteiros e com a diversidade de plantas que consegui num só ano. Tudo graças às pessoas que me deram algumas estacas e sementes, mas também graças ao Lidl que vende algumas plantas difíceis de encontrar por estes lados e sobretudo a preços muito acessíveis.


Outro aspecto importante é a falta de gramíneas, o meu canteiro desespera pela estrutura das ervas! Algo que assumi desde o inicio, sabendo que eram muito importantes...mas, no próximo ano vou me dedicar a encontrar algumas destas plantas para o jardim.

Alguns apontamentos sobre as plantas usadas:

  • Echinacea purpurea: é claramente a planta fundamental deste canteiro, as flores em forma de malmequer começam por ser em capítulo achatado de cor rosada vibrante, evoluindo depois para uma pinha em cone. Estão com um bom conjunto de flores embora sejam plantas ainda jovens. Acho que se dão bem no nosso clima e necessitam de sol, mas um solo de boa qualidade penso ser fundamental. 
  • Eryngium planum: é  a segunda planta mais significativa deste conjunto e uma agradável surpresa para mim. Embora esta planta apareça com frequência em livros e já a tivesse visto em muitos outros blogs em conjunto com echinacea, o puro azul metálico das suas inflorescências é  magnifico. Exige boa drenagem, também acho que resiste bem à seca.
  • Achillea filipendulinaplanta lindíssima e das minhas favoritas, mas infelizmente não a usei da melhor forma. Cresce de forma vigorosa, e para que outras plantas pudessem crescer tive que arrancar grande parte das que plantei originalmente. Combina bem com o azul do Eryngium ou Agapanthus mas, não foi a melhor escolha para o canteiro como um todo.
  • Achillea "fanal": inflorescência lindíssima de cor rosa-bordô, uma planta que cresce vigorosamente e penso que foi responsável pelo insucesso  dos meus Allium "purple sensation" que ficaram retidos no meio desta planta e nenhum chegou a dar flor. Embora uma excelente planta, a cor é demasiado forte para este conjunto.
  • Perovskia "blue spire" outra excelente planta, muito fácil e resistente tanto à seca como ao frio. A flor são fios azuis que se elevam sobre as outras plantas, formando um pequeno arbusto. penso que no próximo ano vou ter que transplantar uma das plantas pois desenvolvem-se de forma muito rápida.
  • Rudbeckia hirta, o porte desta rudbeckia é algo baixo, o que a torna útil para as zonas de frente dos canteiros. As flores são um malmequer com o centro negro, mais estreito que nas echinaceas. Esperava que fosse uma planta mais vigorosa, mas estou satisfeito e quero mais para o ano.
  • Stachys lanata: outra planta a não perder, muito boa para cobertura do solo. Adiciona textura ao conjunto. Deve-se evitar que entre em floração logo no inicio, sendo necessário cortar a "cabeça" das flores de forma a que a parte vegetativa se multiplique. Só assim se pode desenvolver todo o potencial desta planta. Facilmente se reconhece como resistente à seca, mas eu não exageraria, sujeita a grande secura rapidamente produz imensas flores pequenas e desinteressantes, longe do efeito pretendido. 
  • Liatris spicata, esta foi uma das minhas desilusões neste canteiro, plantei mais de 20 e contam-se pelos dedos as que deram flor. Alem do mais, as inflorescências são muito pequenas. Supostamente pode chegar ate 90cm mas, as minhas não devem passar os 30 cm. Penso que necessita também de bom solo e não demasiado seco.
  • Nigella dasmascena: excelente anual, muito fácil de cultivar na minha opinião. As flores são azuis e com uma forma bastante estranha. Dá uma textura vaporizada ao canteiro, resultou muito bem neste conjunto.
  • Hemerocallis "rajah": lindíssimo, as flores são vigorosas e já está a dar flor desde inícios de Junho. Não parece ser especialmente exigente em relação às regas.