segunda-feira, 24 de março de 2014

Um novo canteiro.

Fiz um novo canteiro no meu jardim, mais um pequeno espaço roubado à horta da minha mãe. É um canteiro algo improvisado, tal como todos os outros, e consiste basicamente numa secção elevada feita de tábuas de madeira com 2,70m x 1,50m. Tenho as seguintes plantas para começar: Achillea filipendulina, Hemerocalis "rajah", Echinops ritro, Cynara cardunculos, Eryngium planum, Lychnis coronaria, Stachys lanata, Iris holandica, Liatris spicata, Eremurus stenophyllus, Pennisetum alopecuroides, Stipa gigantea, Alcea rosea e Verbena bonariensis (ainda em falta, as sementes estão a germinar).
No entanto, há que destacar mais algumas plantas nesta altura do ano no meu Jardim:

 Folhagens de Eryngium planum, Phlomis tuberosa, e Stipa tenuissima
Narcissus tazetta

Cyclamen


Tulipa "darwin"
As primeiras tulipas estão a rebentar novamente, mas ao fim de três anos, algo me faz suspeitar que não serão tão prolíficas, este ano. Tenho muito menos botões, não sei se está relacionado com o facto de termos tido muitas chuva durante todo o Inverno e isso pode ter levado ao apodrecimento de algumas hastes quando estavam a rebentar. Em termos de folhagem parece ser idêntico, mas também me esqueci de adubar o solo no ano passado, facto que pode ter tido uma influência decisiva, ainda quando se formavam as flores deste ano.

 Calendula officinalis e os últimos narcisos


quinta-feira, 20 de março de 2014

Prunus



Para comemorar a chegada da Primavera apresento um género de plantas com flores típicas desta altura do ano, o género Prunus, pertencente à familia Rosaceae. As fotos foram tiradas no Jardim Botânico da Ajuda, e parece-me ser uma cerejeira ornamental, mas também pode ser uma ameixeira de jardim, não consigo identificar ao certo.

Prunus é um género de árvores e arbustos, que inclui as ameixas, cerejas, pêssegos, nectarinas, damascos e amêndoas. Cerca de 430 espécies que estão espalhadas pelas regiões temperadas do hemisfério Norte. Muitos membros do género são amplamente cultivadas como árvores de fruto ou ornamentais. 

terça-feira, 18 de março de 2014

Euphorbia characias

Euphorbia characias


Euphorbia characias, pormenor da inflorescência 
Consegui recentemente umas pequenas plantulas desta espécie que há muito desejava estabelecer no meu jardim, depois de uma primeira tentativa falhada. No rio, nas traseiras do meu jardim, encontrei estes lindíssimos exemplares a iniciar agora a floração. Espero que um dia as minhas cresçam tanto quanto estas, será uma grande aquisição para a minha colecção de plantas autóctones. 

sábado, 15 de março de 2014

Jardim de Primavera #1

Helleborus, Narcissus e Primula 
Helleborus x ballardiae "Merlin"

Helleborus foetidus, Crocus sp, Primula vulgaris, Iris foetidissima

Primula vulgaris e Crocus sp.
Viola odorata

Muscari armeniacum 

Maceira em flor, Malus domestica 

O meu jardim de Primavera fica nas traseiras de um velho celeiro e está virado a nascente, sendo apenas exposto à luz solar até ao meio dia. Alem disso, fica protegido por algumas árvores de fruto, como uma cerejeira e uma nespereira. É nesta parte do jardim que tenho algumas das plantas mais sensíveis, como é o caso dos Heleborus ou das prímulas, plantas que se dão bem na sombra ou meia-sombra. Destaco algumas:
  • Helleborus x ballardiae "Merlin", é um híbrido estéril pertencente à Gold Collection (HGC), as flores começam por ser de cor marfim, passando a um tom rosado, que escurece à medida que amadurecem, ficando por fim de cor bordeaux escuro.  A beleza desta planta fala por si, mas é apenas o primeiro ano que a tenho, por isso ainda não posso dar qualquer conselho sobre o seu cultivo.
  • Iris foetidissima, é uma planta autóctone muito útil nas zonas de sombra do jardim. Fornece estrutura e forma um excelente pano de fundo para as outras plantas. Alem disso, dá uma bela flor no inicio do Verão, e mais tarde belas bagas vermelhas...
  • Viola odorata, é um clássico de jardim em Portugal e prefere também a sombra e os locais algo húmidos. As flores são pequenas mas belas e com um perfume característico, é tambem uma excelente planta de cobertura para zonas de sombra. 
  • Primula vulgaris, as imagens falam por si em relação a esta planta, nenhum jardim de primavera ficaria completo sem algumas prímulas. Talvez seja uma das nossas plantas autóctones mais ornamentais.
  • Muscari armeniacum, pertence à família Asparagaceae e não é propriamente uma planta de sombra, mas está em flor no meu jardim e decidi incluir neste post. As suas pequenas flores azuis formam um excelente contraste com o amarelo dos narcisos. Requer um solo bem drenado e solto.
http://www.plantdelights.com/Article/Hellebore-Lenten-Rose/Hellebores/Christmas-Rose/

segunda-feira, 3 de março de 2014

Início de Março no Botânico.

Magnólia 
Borago officinalis


Allium neapolitanum



Mais uma magnólia de folha caduca que descobri no jardim botânico de Lisboa. Ao contrario do Norte de Portugal onde se encontram com abundância, Lisboa não é terra de Magnólias. Refiro-me claro, às de folha caduca, já que as magnólias de folha perene, como Magnolia grandiflora toleram melhor os solos calcários e mais pobres, sendo por isso mais frequentes no sul do país. 

Os exemplares de folha caduca como Magnolia x soulangeana ou Magnolia stellata e seus híbridos, necessitam de um solo mais fresco e ácido, condições nem sempre fáceis de proporcionar (embora Magnolia stellata consiga tolerar solos neutros ou pouco alcalinos desde que fresco e rico). Nesta altura do ano, as magnólias de folha caduca  já estão a acabar a sua  profusa floração, mas quem conhece esta árvore, sabe que uma magnólia em flor, é uma imagem que irá perdurar para o resto do ano...

A segunda planta é a Borago oficinalis, a famosa borregem, que pertence à família Boraginaceae. Acho-a bastante ornamental, mas não é por isso que é conhecida, mas antes pelas suas propriedades medicinais, sobre as quais pouco ou nada sei. Enquanto planta de jardim é verdadeiramente interessante, sendo que as suas flores azuis em forma de estrela não passam despercebidas.

Por ultimo, temos Allium neapolitanum, espécie muito interessante e também ela muito ornamental, aliás, já amplamente cultivada como planta de jardim em vários países. Em Portugal, é autóctone, podendo ser encontrada em bermas de caminhos, prados húmidos e margens de linhas de água. 

http://www.flora-on.pt/#/73jHp