Sissinghurst: Roseiral e o Jardim de Ervas

 Parede coberta de Clematis "Perle d'azur" no roseiral
Berkheya purpurea, Stipa gigantea, Allium spaerocephalon
Allium, Eryngium bourgatii / Clematis herbácea "Ozawas Blue" / Rosa "Ispahan"
Hemerocallis "Croky"
Allium christophii, Nicotiana langsdorffii, Digitalis,  Rosa "Auguste Seebauer"
Papaver somniferum, Lilium regale
Alchemilla mollis / Rosa "Veilchenblau" / Rosa "William Shakespeare"
 Salvia "Caradonna" em primeiro plano
Veronica, Salvia e Silene
Salvia "Caradonna" e Silene coronaria
Echinacea purpurea  nos jardim de ervas e Rosa não identificada 
Vista do jardim de ervas
 Hellianthus, Artemisia, Verbascum

Chegamos à ultima parte da minha visita a Sissinghurst e deixei para o fim uma "sala" muito importante, o roseiral, que sempre foi considerado um dos maiores legados de Vita Sackville-West.

De todas as flores presentes em Sissinghurst, foi a rosa que mais capturou a imaginação de Vita. Ela estava particularmente fascinada por associações históricas ou literárias e achava incrivelmente romântico que as rosas gallica, chegadas a França vindas da Pérsia, tinham muito provavelmente sido trazidas  pelos cruzados que regressavam do médio oriente.
Ela amava particularmente as rosas antigas, e em 1954 escreveu: "Não há nada de austero ou mesquinho nestas rosas. Elas têm uma generosidade que é tão desejável em plantas como em pessoas".

As rosas foram plantadas tendo por companhia herbáceas, que permitem uma longa temporada de floração. É aqui no roseiral que o carácter do plantio de Vita se torna mais evidente, a escolha de cores e a abundância delicada são traços de Vita presentes ainda hoje no roseiral. No entanto, apenas uma parte das rosas que existiam no tempo de Vita permanecem em Sissinghurst.

Por ultimo, na sala reservada ao jardim de ervas, temos uma vasta selecção de plantas com utilidade desde tempos imemoriais. Muitos visitantes não entendem o jardim de ervas pois estão à espera de encontrar plantas comestíveis ou aromáticas, mas no entanto, apenas algumas das 146 plantas disponíveis podem ser consumidas. A colecção de "ervas" em Sissinghurst, na verdade aproxima-se do conceito ancestral de "erva" e inclui qualquer planta que tem um uso, ou medicinal, ou culinário ou qualquer outro tipo de uso prático.

Para mim, Sissinghurst foi uma surpresa pelas suas dimensões, a pesar de ser um palácio, conserva o charme de uma casa de campo, sendo um jardim não ostentativo. Possui uma elegância discreta. Sissinghurst foi também uma lição de cor e de diferentes combinações de plantas: os esquemas de vivazes são do melhor que já vi, apresentam um dinamismo único, com ritmos texturais subtis e uma paleta de cores refinada. Tudo o que se deseja num dos melhores jardins do mundo!

http://www.countrylife.co.uk/gardens/gardens-gardening/the-history-of-sissinghursts-roses-58258

Comentários

  1. Very good, grandes fotos e boa descrição :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Carlos, com um jardim assim é mais fácil tirar boas fotos :)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares